16 de mai de 2012

Os gêneros de ficção e o prazer de escrever

Embora para muita gente seja um prazer, escrever roteiros é um trabalho exaustivo e desgastante, principalmente quando se trabalha numa indústria com tantos imprevistos, adversidades de produção e exigências de prazos rápidos como a televisão. Porém pode ser uma atividade muito divertida quando se cria algo dentro do estilo que mais lhe agrada. 
Uma dica interessante para quem quer começar a escrever é descobrir com qual gênero de ficção você mais se identifica. 
Observe seus gostos pessoais e saiba se você curte mais a comédia, o drama, o romance, o policial, o infantil, o realismo fantástico, o infanto-juvenil ou qualquer outro. Assim que você tiver certeza do gênero que mais lhe agrada, sua criatividade fluirá mais e sua satisfação em criar roteiros será muito maior. Você nem vai sentir que está trabalhando (e muito!).
É evidente que alguns roteiristas são multifacetários e conseguem circular livremente por gêneros diversos com competência em todos, mas sempre haverá um marcante, o "xodozinho" do autor, no qual ele se destacará mais e que fornecerá a identidade, o "DNA" de suas obras. 
Muitas vezes, o roteirista também pode ser contratado para escrever histórias sobre temas ou gêneros que pessoalmente não lhe agradam. Neste caso, sua habilidade, sua inventividade pessoal e seu profissionalismo determinarão o sucesso (ou não) de seu trabalho.